Sociedade fissurada

Numa inspiração que inclui a escola de Frankfurt e o oportuno e pouco comentado filósofo alemão contemporâneo Christoph Türcke, as autoras deste livro fazem uma feliz parceria entre a filosofia e a psicologia para situar o debate sobre drogas num outro plano, longe da proliferação de discursos moralistas viciados em coação, que é tentar decifrar a compulsão, o círculo vicioso do vício, como uma “ontologia da fissura” que mostra o “controle biopolítico dos estímulos estéticos dos corpos” submetendo a “promessa de uma subjetividade autoconstruída da experiência humana”.


Proposta não aprovada